Santos Export encerra programação com visita ao Porto de Roterdã

11.09.2014 Autor: Atribuna Brasil - Leopoldo Figueiredo

A expansão do Porto de Roterdã, na Holanda, com a construção de seu novo conjunto de terminais de águas profundas, sobre uma área aterrada na costa da nação europeia. A política de dragagem adotada por sua administração a fim de manter os 40 quilômetros do canal de navegação preparados para receber mais de 165 mil embarcações por ano. As parcerias firmadas pela autoridade portuária com universidades locais, a fim de solucionar problemas logísticos e planejar seu desenvolvimento para as próximas décadas. Esses são alguns dos temas que serão apresentados a empresários e autoridades do Porto de Santos nesta semana, durante a visita que farão ao complexo marítimo holandês.

A viagem encerra a programação da edição deste ano do Santos Export - Fórum Internacional para a Expansão do Porto de Santos, organizada pelo Sistema A Tribuna de Comunicação e pela Una Marketing de Eventos nos últimos dias 12 e 13, em Guarujá.

Na comitiva brasileira, estão executivos e consultores de terminais portuários, diretores de associações empresariais e prestadores de serviço. Também integram o grupo o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq, o órgão regulador do setor no País), Mário Povia, o presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp, a Autoridade Portuária de Santos), Angelino Caputo e Oliveira, e a prefeita de Guarujá, Maria Antonieta de Brito.
N/A
Porto de Roterdã, nos Países Baixos, é o principal complexo marítimo do mundo ocidental


Esta é a segunda vez que um grupo do Santos Export visita o Porto de Roterdã. A primeira vez foi em 2005. Nove anos depois, será possível averiguar o quanto o complexo holandês evoluiu e como os projetos apresentados na década passada se desenvolveram.

A visita ao porto teve início nesta segunda-feira (01), às 8 horas (3 horas no horário de Brasília), quando a comitiva do Santos Export foi recebida pelo presidente da autoridade portuária, Allard Castelein, no edifício-sede da empresa, o World Port Center, construído às margens do canal de navegação, o Rio Maas. Em seguida, houve uma apresentação do complexo, feita pelo chefe do escritório de Relações Externas do porto, Frans van Keulen, que destacou a implantação do novo conjunto de terminais de águas profundas, o Maasvlakte 2, sua política de dragagem e seu centro de coordenação, que supervisiona o tráfego aquaviário na região.

Um dos pontos altos da exposição de van Keulen foi a explanação sobre Maasvlakte 2, considerado o mais arrojado empreendimento portuário do mundo. Trata-se da nova área de expansão do complexo, erguido sobre um aterro de 7 quilômetros quadrados (quase a área de todo o Porto de Santos, que ocupa 7,8 quilômetros quadrados) na foz do Rio Maas e que aumentou em 20% a área do complexo. O terreno, que deve ser ampliado em 3 quilômetros quadrados nos próximos anos, é rente ao Maasvlakte I, o primeiro aterro portuário da região e que foi visitado pela equipe do Santos Export em 2005.

O Maasvlakte 2 começou a ser construído em 1º de setembro de 2008 e essa primeira fase de 7 quilômetros quadrados foi concluída em 22 de maio do ano passado. Inicialmente orçado em € 1,7 bilhão, seu custo final foi reduzido em € 150 milhões, chegando a € 1,55 bilhão. As primeiras operações na região ocorreram em 16 de junho deste ano e envolveram o transbordo de derivados de petróleo entre dois navios. Os embarques e desembarques iniciais estão previstos para o final deste ano, com o começo das atividades do terminal de contêineres Rotterdam World Gateway, uma joint venture da operadora portuária Dubai Ports World com as armadoras MOL, Hyundai, APL e CMA CGM. A instalação será capaz de movimentar 4 milhões TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) por ano.

Outros dois terminais de contêineres estão sendo construídos em Maasvlakte 2. No total, as três unidades poderão escoar 11,5 milhões TEU anuais, praticamente o volume operado por Roterdã no ano passado, que foi de 11,6 milhões TEU e garantiu o 11º lugar entre os portos que mais movimentaram contêineres no mundo, segundo levantamento da autoridade portuária. Nas dez primeiras posições, estão complexos chineses e Jebel Ali, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos (visitado pela comitiva do Santos Export no ano passado).

No ano passado, o Porto de Santos contabilizou 114 milhões de toneladas, com 3,44 milhões TEU.